Número total de visualizações de página

quinta-feira, dezembro 01, 2016

USOÑONA: O ACTO MATRIMONIAL ENTRE OS LUBOLU, KIBALA E OUTROS AMBUNDU DO K-SUL

(Breve descrição)

Os povos do Lubolu e da Kibala, municípios da província angolana do Kwanza-Sul, consideram-se kisoko* por isso mesmo são pacíficos os actos matrimoniais entre estes dois povos do grupo ambundu.

O acto matrimonial tem início com o galanteio ou conquista (useka), sendo normalmente o homem quem toma a iniciativa ou os pais deste, podendo ainda a família contrária propor o mesmo à família do rapaz.

Normalmente, é na transição entre a adolescência e juventude que começam os galanteios quando não se tratem de indivíduos já adultos e em segundas núpcias. A idade biológica é irrelevante, falando mais a robustez física, atendendo a maturidade precoce ou retardada dos indivíduos. O desenvolvimento físico na mulher é factor de relevância.

Regra geral, quando chega a puberdade, as raparigas juntam-se em casa duma idosa para dormitar, pretenciosamente para dela cuidarem e retirarem lições, com realce à vida sexual e conjugal futura. É nesta kandumba (caserna) onde os adolescentes e jovens do sexo masculino se sentem mais à vontade para o desfilar de rosários.

 

Ter um objecto de uso pessoal da jovem pretendida, um lenço, um pano, ou uma pulseira é considerado meio caminho andado para o passo seguinte. Porém, a sociedade/comunidade, que está sempre atenta, é quem aprova ou reprova esta relação nascente em que jogam preponderantemente os activos e passivos entre ambas as famílias. Se reprovação não houver, o passo seguinte será a oferta à tia ou avó (paterna) da pretendida de uma porção de tabaco, um maço de cigarros ou um valor equivalente.

 

A aceitação desta oferta será o selo de que nada obsta o namoro entre os jovens, passando à categoria seguinte de “a mwibula” que significa estar ocupada ou pretendida.

 

KWIBULA (pretender ou buscar consentimento)

O acto tem o significado exacto de pretender a rapariga. Perguntar às famílias se nada obsta. A aceitação da bouquilha de tabaco ou outro produto correspondente equivale à aceitação do namoro por parte de quem o recebe e que deverá comunicar aos pais da jovem.

A família da rapariga deve, em seguida, reunir e analisar os hábitos do rapaz e de sua ascendência, jogando preponderantemente a amizade ou atritos que haja ou tenha havido entre ambas, caso sejam de mesma aldeia ou de aldeias próximas.

Ultrapassado favoravelmente este passo, um emissário é enviado à parte do pretendente, comunicando-lhe a aceitação formal do namoro, passando o jovem a frequentar a casa dos sogros, idem a jovem que se deve prestar a alguns serviços domésticos em casa da futura sogra. É o ensaio.

São esses actos que ajudarão a determinar se a futura nora é ou não honesta e trabalhadora. Chegados a este patamar a sociedade jamais permitirá relacionamentos paralelos, sobretudo se praticados pala nubente, sendo qualquer acção desrespeitosa para com ela passivel de uma multa pecuniária e, às vezes, castigos físicos, ditados pelo soba da comunidade. Aqui, a traição feminina é considerada e punida mesmo na sua forma intencional. Sendo porém ao intruso, aquele que cobiçou a mulher/noiva alheia, a quem se imputa parte considerável da culpa. Ao lesado é dada a oportunidade de continuar ou abortar a relação, depois de recebida a multa.

 

ULEMBA (alembamento)

É o acto pelo qual a família do jovem formaliza o noivado através da entrega de bens à família da jovem. Não se trata de compra, como alguns podem pensar.

É apenas um acto que valoriza a noiva e que sub entende o costume e o respeito pelas tradições seculares. Imitir-se de realizar o alembamento é o que se considera anomalia e nunca o contrário.

Nas comunidades rurais mais recônditas a bebida mais usada é o kaporroto ( bebida destilada). O noivo, ajudado pela família, deve juntar garrafões de kaporroto em número variável, panos para a sogra, cobertor para a avós, o dinheiro do alembamento que acompanha a carta de pedido devidamente forrada em lenço branco e fechada com alfinetes dourados.

Nas comunidades mais iluminadas o Kaporroto é substituído por garrafões de vinho, whisky, caixas de refrigerantes e cerveja, cigarros, peças de panos para a sogra, fato para o sogro e outros bens. Há famílias que enviam uma lista de bens e outras que são liberais.

Geralmente a família do noivo é recebida em festa, abatendo-se um animal quadrúpede doméstico e outro que é oferecido vivo à família da noiva em forma de dote.

 

UWANA (a busca ou o casamento propriamente dito)

A saída da mulher da casa de seus pais é o acto consumatório da união matrimonial entre os nubentes. Preparada a casa em que viverá o novo casal, a família do noivo envia um emissário à casa da família da noiva com a missão de a ir buscar.

O emissário, um tio, uma tia, um kisoko ou outro individuo de confiança ou amigo comum dos nubentes leva um garrafão de kaporroto, ou algumas caixas de cerveja e refrigerantes, dependendo do lugar e das posses.

Deve munir-se de alguma pecúnia de reserva para em caso de multas devidas a atrasos na chagada ou gravidez em casa dos pais. Recebido em festa, apresenta o mahezo (conta o motivo da visita) e é acompanhado com o bater de palmas à medida que discorre o discurso.

Uma tia, amiga ou sua representante acompanha a noiva ao seu novo lar. Esta vai normalmente de rosto encoberto destapando o "véu" somente depois de apresentada pela acompanhante à sua nova família, os sogros.

Manda a tradição que na primeira noite ambas tias da noiva e do noivo devem confirmar a virgindade da rapariga através de lençóis novos e brancos que ao raiar do sol são por elas recolhidos devendo estar ensanguentados, sinónimo de que houve defloramento naquela noite nupcial.

Se se confirmar o defloramento, ambas tias ou suas representantes rejubilam-se, sendo motivo de orgulho das famílias por se ter cumprido a norma tradicional da conservação da virgindade até ao casamento. Há vezes, porém, em que tal acto não passa de uma simples "montagem" com a conivência de ambas tias. Pegam em uma galinha e escondem-na no quarto dos nubentes. À noite, sacrificam-na e o sangue é usado para sujar os lençóis.

A festa de despedida entre a família e as acompanhantes da noiva é regada de muito kaporroto, vinho e/ou outras bebidas, dependente dos hábitos de consumo, do local e das posses. Há famílias que fazem acompanhar a sua filha de um dote (em retribuição ao recebido). Normalmente uma vaca ou outro animal de médio porte, cuja reprodução deverá ser seguida na mesma bitola pelo novo casal. Este dote tem, porém, outros significados importantes a reter: 1- O apreço que os pais da noiva nutrem pelo genro; 2- Que não maltratem sua filha, pois também têm posses, etc.

 

UKITA (a procriação)

É o passo seguinte. Ambas famílias permanecem atentas à primeira gravidez da jovem, sendo motivo de preocupação se tal não acontecer nos primeiros seis meses de casamento. São mais a vez as tias e avós que questionam pelo neto ao mesmo tempo que indagam "quem tem diferença" que deve ser rapidamente resolvida por via da medicina convencional e ou alternativa.

Há familias que permitem o casamento entre primos até ao segundo grau, porém, o requerente tem de interpor com um cabrito ou vaca, sendo hábito as famílias discorrerem sobre as respectivas árvores genealógicas até enésima geração para encontrarem possíveis cruzamentos ou tronco comum.

 

* Kisoko é termo em kimbundu que significa pessoa ou povos que mantêm um pacto secular de amizade, amor, fraternidade, relações igualitária, privilegiadas ou íntimas. Entre dois kisoko até a asneira passa despercebida ou sem agravo.

 

Texto escrito em Novembro de 2009 e revisto a 23.03.2016. Publicado pelo Jornal de Cultura e Artes em Maio de 2016.

Sem comentários: