Número total de visualizações de página

quarta-feira, novembro 20, 2013

FALTAR COM RESPEITO OU FALTAR AO RESPEITO?

A grande questão reside no uso da preposição, o que se chama de regência.
- De que preposição é regida (antecedida) a palavra "respeito", quando nos referimos à falta deste?
1- A preposição "Com" indica companhia. Ex- Estive com o João na reunião da escola.
2- A preposição "ao" é uma contracção da preposição A e artigo O. Exemplo: faltei ao encontro marcado com o professor de Geografia.
Indo de acordo à questãocolocada: "Faltar ao respeito ou faltar com respeito"?
- A resposta é "faltar ao respeito".
(Nunca faltei a si o respeito que lhe devo).
 

sexta-feira, novembro 01, 2013

CONFLITOS ENTRE ÁREA JORNALÍSTICA E COMERCIAL NUM MEDIA PRIVADO

 
AS NOTÍCIAS são, regra geral, o principal produto dum órgão de comunicação social convencional, sendo, por via da qualidade/quantidade e precisão com que são divulgadas que se aumenta o share (quota aparente de mercado) do referido órgão.

Essa quota mediática é que atrai ou não maior ou menor adesão dos anunciantes publicitários ou a compra de espaços no órgão.
Acontece, por outro lado, que as noticias não são, na verdadeira essência, vendáveis e , mesmo na media imprensa, as vendas dos jornais mal pagam a gráfica e muito menos os salários dos jornalistas e outros trabalhadores.
Apesar de as noticias serem o grande atrativo para a publicidade, é esta que suporta as despesas em salários, matéria-prima, equipamentos, etc., tratando-se de órgãos de comunicação social que vivam de rendimentos próprios.
Para além das questões de fórum legal (incompatibilidades prescritas no Estatuto do Jornalista e Lei de Imprensa), é aqui que surge o problema/choque de interesses entre os jornalistas e os zeladores de publicidade. Há antagonismos funcionais entre os dois Departamentos (Jornalismo e Publicidade) num órgão, devido ao conflito de interesses.
Os jornalistas estão comprometidos com a verdade e as noticias, independentemente de quem as produza(seja anunciante ou não).
Os zeladores de publicidade estão mais preocupados em manter os contratos com os anunciantes e de manter as boas relações com estes, evitando qualquer ruído na relação que possa beliscar o negócio.
O que acontece quando um grande anunciante é protagonista duma notícia a ele desfavorável e difundida pelo Departamento de Jornalismo?
1-      O anunciante queixa-se ao seu parceiro comercial, Departamento de Publicidade, atestando deselegância do órgão em não o ter protegido e ameaça retira a publicidade.
2-      O Departamento de publicidade atira-se contra o Departamento de Jornalismo alegando interferência negativa no negócio.
    
     3- A busca de equilíbrio entre a necessidade de manter o contrato com o cliente/anunciante e a satisfação da reclamação deste leva, algumas vezes a sacrificar o jornalista com processos disciplinares forjados e sua retirada temporária do espaço mediático.

EXPERIENCIA PESSOAL
 

Uma vez (terá sido em Julho de 2002), quando me encontrava diante duma agência do BFE (actual BFA), apareceram numa carrinha homens da EDEL e polícias com mandado para proceder ao corte de energia naquela agência, situada na Joaquim Capango, em Luanda.

Enquanto jornalista e editor da Comercial, entendi que se tratava de um caso quase insólito (os factos ganham relevo noticioso pelo insólito). O banco tinha anunciado dias antes a doação de meio milhão de dólares americanos para ajudar o processo de paz iniciado a 04 de Abril, um mês depois da morte de Savimbi.
Servindo-me do telefone, fiz uma peça que foi transmitida no noticiário principal (12h30).  Na peça, para além dos clientes do banco que estavam “passados” com a situação (note que na altura eram enormes as filas nos bancos), ainda foi ouvido o chefe daquele piquete e abordado o gerente que não quis prestar depoimentos.
O pior da história foi que o citado banco era anunciante na rádio e o seu PCA (actualmente num banco concorrente surgido anos depois) ligou ao chefe de produção (área comercial da rádio) ameaçando que retiraria a publicidade por não ter sido resguardada a imagem da sua instituição.
Eu que, jornalisticamente, tinha vivenciado o facto e observado o contraditório, ouvindo as partes e testemunhas, acabei sendo julgado pelo “meu chefe” como culpado da situação, e tratado como mentiroso. Um processo disciplinar foi-me instaurado e suspenso das minhas funções daquele dia até à conclusão do processo conduzido por alguém com habilitações literárias inferiores às minhas e sem conhecimento específico sobre a ciência jurídica.
Quinze dias depois, saiu o veredicto:
- Perde a condição de Editor
- Fica sem o subsidio de editor (que nunca tive antes do caso)
- Censura registada.
Esta crónica vem a propósito dum post do meu amigo Yuri Simão, no face book, sobre empresas gigantes com contas de água por saldar.
Há gigantes financeiros com muitas continhas por saldar. E pior é que não entendem ser direito do credor proceder ao corte do fornecimento.
Vezes há em que arranjam um bode expiatório para as suas distrações, como foi o caso.