Número total de visualizações de página

terça-feira, setembro 17, 2013

UM POUCO DE HISTÓRIA: QUANDO COMEÇARAM AS ACÇÕES SUBVERSIVAS CONTRA PORTUGAL?

Fonte: Agostinho Neto e a Libertação de Angola, Vol. V, Pg. 66-67
A DGS (PIDE), num relatório sobre “Reconciliação MPLA/FNLA”, em Dez 1972, diz que o MPLA realizou acções terroristas em Luanda a 4Fev 61 e a UPA a 15Mar 61.
O relatório diz ainda que em Abr 61, o MPLA, UPA, ALIANZO e MLEC reuniram em Kinshasa para criar uma Frente Única que não se efectivou porque a UPA que gozava de grande influência nos países anti-colonialistas pretendeu a integração de outros movimentos. Antes, segue o relatório da PIDE, em Jan 60, no espírito da conferencia de Bandung (1955) e Accra (1958), o MPLA representado em Leopoldoville (Kinshasa) por Mário Pinto lemos de Andrade, propôs á UPA a criação de uma Frente Única participada pelos dois movimentos. Holdem Roberto rejeitou.
Em Mar 62, continuamos a citar  documento, UPA e PDA fundem-se em FNLA e criam em Abr 62 o GRAE (Governo Revolucionário de Angola no Exílio). Em Mai 62 Cleophas Kamitatu, ministro do interior da RDC (assim já se chamava o ex-Zaire) tentou uma unificação entre MPLA e FNLA recusada pela FNLA. Nova tentativa dá-se em JUn 62 por Kwame krumah, sem sucesso. Em Jan 63, uma comissão de bons ofícios da OUA reconheceu a FNLA como movimento representantivo da luta do povo angolano, sendo o MPLA considerado apenas um Movimento político por não possuir, à data, combatentes no interior. Desta data em diante, é à FNLA que passa a aniquilar os guerrilheiros do MPLA nos Dembos onde Ferraz Bomboko se mantinha fiel ao Movimento (op cit. 67).
Em Mai 63, a OUA reconhece o GRAE e este começa a perseguição ao MPLA na RDC. Em Jun 63, Viriat Cruz insatisfeito com a conferencia nacional do seu MPLA que dera a presidência a Agostinho Neto tenta um golpe para chegar à liderança. Fracassado o golpe, V.Cruz e partidários integram-se na FNLA como “MPLA ala V. Cruz”. Em Jul 63, Agostinho Neto expulsa do MPLA V.Cruz e seus apoiantes e cria, em Brazaville, a FDLA, integrada pelo MPLA, MNA, GWIZAKO e UNTA. Finalmente, a 13 Dez 72 é assinado um acordo de unificação dos esforços de guerra entre MPLA/FNLA (op cit. 77), criando o CSLA (Conselho Superior de Libertação de Angola, liderado por H.Roberto, e um órgão militar, CMU - Comando Militar Unificado, liderado por neto.
Se ler o livro que cito no topo em que estão todos os relatórios da DGS sobre os esforços e desinteligências entre os Movimentos de libertação de Angola, você saberá porque razão o CSLA não vincou.

Sem comentários: