Número total de visualizações de página

segunda-feira, fevereiro 25, 2013

Como ou “Cumo”?

DÚVIDAS COLOCADAS POR AMIGOS
 
DIZ-SE "como" ou Cumo?

Como": pronome interrogativo quando sucedido de ponto de interrogação; pronome relativo. Pronuncia-se “cômo” ou seja, a letra "O" pronuncia-se fechada.
- André, como (cômo) foi que saíste de casa?
- Como (cômo) o Mário é o mais velho, ele dita as regras de casa.
"Como": forma conjugada do verbo comer. Pronuncia-se “cómo”, ou seja, a letra "0" pronuncia-se aberta.
- Eu como funge com carne de cabrito, como fazia a minha avó.
Logo, “cumo”: enquanto palavra não existe nem na classe de palavras variáveis nem nas invariáveis.

 
"Concordo contigo" ou "estou de acordo com aquilo que falaste"?
"Concordar" é um verbo sinónimo de aceitar.
"Acordo" é forma conjugada do verbo acordar; sinónimo de chegar a entendimento; estar em sintonia.
"Acordo"é ainda uns substantivo (nome) que indica entendimento, concordata, etc.
- O "acordo" de Bicesse (entendimento entre MPLA/Governo e UNITA sobre a paz em Angola) foi concluído em Maio de 1990.
- A vida que a Joana leva não se recomenda. Logo que "acorda" começa a beber.
“Concordo": é forma conjugada do verbo concordar, sinónimo de aceitar.
Concorda-se com algo. Logo, seria "concordo com aquilo que falaste" e não "... daquilo que falaste"
A frase “estou de acordo com aquilo que falaste” também está correcta porque nesta acepção "estar de acordo" se torna sinónimo de "concordo".
QUANDO É QUE DEVO USAR AS EXPRESSÕES "A PRINCÍPIO" E "EM PRINCÍPIO"?
A princípio” (separando a da palavra princípio) está certo.
- A princípio nós pretendemos realizar a companha ainda esta semana.-"Em princípio" de Janeiro estará tudo pronto (o mesmo que no começo de).

sábado, fevereiro 09, 2013

UM OLHAR SOBRE O MOVIMENTO LITERÁRIO NA LUNDA SUL

Uma cronologia* elaborada por Tomás Lima Coelho e Manuel Seca Ruivo, que lista os escritores angolanos desde o surgimento do primeiro livro escrito por um angolano (José Maia Ferreira), em 1847, até ao presente, ilustra que entre os cerca de 600 escritores angolanos apenas 04 são da Lunda Sul a saber: Bula Mbungue, Fonseca Sousa, Valter Hugo Mãe e Victor Kajibanga. É Obvio que o estudo ainda recebe contribuições para se seja o máximo realista, mas é um indicador que nos deve preocupar.
Enquanto capital do distrito, no tempo colonial e capital de província de 1975 a esta parte, Saurimo teve sempre um ensino liceal e não faltou a diáspora académica ao longo dos tempos. Porém, apesar destes condimentos que são a formação intelectual e a criatividade que propiciam a existência da literatura, o número de escritores da província é 04 e se juntarmos os escritores das duas Lundas teremos apenas um total de apenas 9 escritores. São ainda muito poucos os que mostram a cara através da escrita criativa ou académico-cientifica.
Só para se ter uma ideia, o Huambo tem 51 escritores listados; Benguela tem 47; Malanje, aqui ao lado, tem 32. O Kwanza-Sul tem 18; Cabinda tem 07; Moxico tem 09 e apenas Kwando-Kubango e Kunene têm cada 02.
Daí que julgo ser necessário pensar-se numa solução. É preciso incentivar os jovens a criar e registar em papel aquilo que criam. Mas, antes, temos de incutir nas crianças e jovens o hábito da leitura, do debate, da reflexão e do uso correcto da língua em que trabalhem: seja a língua herdada do colono (português) ou as nossas línguas de origem bantu. Julgo ser este o caminho para que possamos fazer crescer o número de escritores na província e no país.
É ingente que os jovens os mais velhos escrevam e publiquem as suas experiências e memórias, merecedoras de serem legadas às novas gerações. É urgente que os nossos professores “reinventem” o saber científico, o registem e publiquem.
É preciso também que as instituições públicas e os empresários locais apoiem aqueles que já escrevem para que possam publicar e servir de mola impulsionadora dum movimento literário ao nível da província.
Não havendo quem escreve, porque não habituamos as crianças a ler e a praticar a escrita, temos de fazer uma analogia com o futebol: É possível aspirar a primeira divisão nacional sem jogadores em quantidade e qualidade na praça local?
Se calhar, a solução seja criar uma espécie de “núcleos de leitura, debate e escrita” que nos darão talentos que nos permitam, no futuro, ombrear com os grandes que também tiveram de gizar políticas de formação, formal ou informal, ostentando hoje a fama e a tradição que têm. Benguela é um exemplo no campo literário para não falar de Luanda.
Buscando o exemplo de Benguela, há dois anos que o governo daquela província instituiu o Prémio Provincial de Cultura e Artes, uma versão local do Prémio Nacional. Os vencedores de cada uma das sete categorias recebem Kz 700 mil. Sabendo que o artista que se empenhe com qualidade pode ganhar no principio do ano esse dinheiro, quem é que não escreve? Quem é que não pinta, quem é que não esculpe, quem é que não cria moda, quem é que não investiga sobre a nossa tradição e costumes do nosso povo? Quem é que não canta e quem é que não dança?
Entendo que não basta que existam as instituições artísticas sem o essencial que são os artistas porque já é sabido que sem panela não se faz o funje.
Sem leitores nunca teremos escritores.
* Autores de Angola: Naturalidade e bibliografia (ebook), no prelo.
 
 

sexta-feira, fevereiro 01, 2013

OBRIGADO OU OBRIGADA?

A Márcia é minha irmã e é estudante universitária, frequentando o 1º ano. Desejosa de aprender um pouco mais sobre a língua portuguesa, colocou a dúvida que abaixo se transcreve:

- Quando tiver que agradecer devo usar a expressão obrigada ou obrigado?

Márcia, tu és mulher. As mulheres dizem “obrigada”.
“Obrigado” dizem os homens.