Número total de visualizações de página

segunda-feira, março 23, 2015

TODOS E TODAS SEM CRASE


Tenho lido em textos, alguns até jornalísticos, passagens como "que à todos diz respeito".
Crasear é ainda um dos "problemas que estamos com ele".
Frequentei, em 2002 ou 2003, um curso propedêutico de L. Portuguesa, facultado pelo SJA e ministrado na Universidade Católica de Angola no qual aprendi esse detalhe da Nossa Língua.
Só há crase quando estamos em presença de um nome (substantivo) antecedido por um determinante feminino e uma preposição "a". Logo, "a"(preposição)+ "a"(determinante/artigo)="à" (contração da preposição com artigo feminino).
Em "à todos" não há nem nome feminino, nem determinante. Existe apenas uma preposição (que nos dá a ideia de movimento para...).
Em suma, a redação deve ser: que a todos diz respeito.

domingo, março 01, 2015

NUANCES DA LÍNGUA


Num dos restaurantes da FIL, depois do almoço de despedida da equipa que esteve a trabalhar em uma exposição, pergunto à proprietária a quem havia pago valores adiantados:
- Nosso saldo é positivo ou negativo?
- Positivo, filho.
- Em quanto está nossa conta?
- Dezasseis mil.
- Então dê-nos mais sumos até "bater" Kz. 17700 que é meu saldo.
Na hora do fecho, a conta estava deficitária para mim em kz. 18 mil.
- Então, há pouco, a senhora disse que o meu saldo era positivo. Como é que um sumo e um café elevaram a conta para uma dívida de Kz. 18 mil?
- Não filho, eu disse (saldo) positivo do meu lado!