Número total de visualizações de página

sábado, fevereiro 20, 2010

UM OLHAR AO CARNAVAL DA LUNDA SUL

Informações históricas apontam para a existência de três períodos distintos do Carnaval na região nordeste de Angola que abaixo se seguem:


1- Até 1975: O Carnaval estava circunscrito aos bailes urbanos organizados por elites de origem europeia, seus descendentes e alguns assimilados (negros letrados e com hábitos culturais europeus)

2- De 1977 a 1990: O Carnaval passou a realizar-se a 27 de Março ao invés de Fevereiro, conforme dita a tradição desta festa de origem pagã. A festa ganhou uma carga política e ideológica, popularizou-se e se tornou de carácter quase “obrigatória” em todo o país. Note-se que 27 de Março de 1976 foi a data em que fora expulso do solo angolano o último dos invasores sul-africanos e mercenários que tentaram impossibilitar a proclamação da independência do país pelo MPLA e Agostinho Neto, a 11 de Novembro de 1975, daí que o Presidente Neto propôs a data para a festa da vitória, ganhando a assim a designação de “Carnaval da Vitória”.

3- CARNAVAL “DO EMPATE”: de 1991 à data presente, a festa popular perdeu a carga ideológica, voltou à espontaneidade com maior realce à criatividade na indumentária, dança, canto, alegoria e outros adereços. Ganhou corpo a participação da classe empresarial pública e privada como patrocinadores, o que tende a diminuir gradualmente a responsabilidade do Governo na organização dos grupos. O Carnaval actual evolui, em todo o país e em todos os sentidos, para uma indústria, à semelhança do que se passa noutras cidades e países.

No que se refere ao nordeste de Angola, dois aspectos ressaltam à vista do visitante e do habitante local: a evolução cultural, fruto das vivências e empréstimos culturais com outros povos e a preservação da matriz cultural do povo Cokwe.

Quem assiste ao Carnaval dançado em Saurimo vê duas formas (muitas vezes combinadas) de execução das danças típicas do nordeste, a Cianda e a Cisela. Os grupos carnavalescos da cidade mostram cada vez mais inovações, fruto de influências de outras danças e ritmos, ao passo que os das aldeias periféricas e outros idos de municípios do interior exibem ainda uma dança “mais conservadora”, ao som rítmico do ngoma , executado por menores e adolescentes que são, ao fim e ao cabo, os continuadores da pureza da cultura deste povo.

Assistindo, de forma crítica e interessada, ao Carnaval da Lunda wa kuthu fica-se com a impressão de que qualquer júri nomeado para julgar a festa popular sente dificuldade em eleger o grupo vencedor de qualquer edição e tal acontecerá em 2011. Concorreram para tal dificuldade a evolução cultural e a manutenção da matriz cultural deste povo Cokwe no seu aspecto mais tradicionalista.

O Grupo AMA (vencedor da edição 2010) apresenta-se como o rosto visível de um Carnaval moderno, com todos os adereços que se esperam duma festa que reúna o tradicional e o moderno. Os grupos representantes dos municípios de Mukonda Dala e Kakolo mostram por sua vez que lá está o viveiro da cultura autóctone dos tucôkwe.

É também importante notar que no nordeste de Angola “o Carnaval não tem tradição , sendo os momentos de festa mais marcantes as cerimónias de mukanda , daí que estes povos podem, e a curto trecho, desenvolver uma festa híbrida que englobe o moderno e o tradicional que se pode converter num grande atractivo turístico.


REFERÊNCIAS

1- MANAÇAS, Abreu: entrevista à RNA Lunda Sul, 15/02/10
2- O carnaval que se segue ao da vitória resulta da instauração do multi-partidarismo e perdeu a feição partdária pró MPLA, voltando à espontaneidade popular. Designo-o por carnaval do empate, pois o Presidente Eduardo dos Santos dizia que para a VERDADEIRA reconciliação nacional entre os angolanos era importante que não houvesse nem vencedores nem perdedores.
3- Cianda é dança típica do nordeste de Angola. Outras danças típicas dos tucôkwe são a cisela e a makopo.
3- ngoma é batuque
4- Mukanda é  cerimónia de iniciação: masculina = mukanda ua kandanji e feminina = mukanda ua mwana pwo).

Luciano Canhanga

(Comunicólogo)



1 comentário:

Madalena disse...

Muito aprendo com este blogue.
Mais uma vez parabéns pelo saber e obrigada pela partilha.