Número total de visualizações de página

quinta-feira, novembro 15, 2018

OS AMBUNDU DO K-SUL: DELITOS, TRANSGRESSÕES E PENALIZAÇÕES

Os Ambundo do Kwanza-Sul: delitos, transgressões e penalizações nas aldeias rurais
A autoridade tradicional é imposta por procedimentos considerados legítimos porque sempre teria existido, e é aceite em nome de uma tradição reconhecida como válida. O exercício da autoridade nos Estados desse tipo é definido por um sistema de status, cujos poderes são determinados, em primeiro lugar, por prescrições concretas da ordem tradicional e, em segundo lugar, pela autoridade de outras pessoas que estão acima de um status particular no sistema hierárquico estabelecido (Max Webber).
 
Para além dos meus primeiros dez anos de vida passados em aldeias rurais do Lubolu (Libolo) e arredores, tenho-me servido de idas constantes à região que descrevo para "in situ" reviver o "modus vivendi e operandi" destes povos.
As comunidades rurais do Lubolu, Kibala e doutros povos ambundu que habitam o território da província angolana do Kwanza-Sul, apesar de não possuírem uma pauta que tipifique o que são delitos e o que são transgressões, nem tão pouco as penalizações para cada desvio de conduta social, têm um sistema jurídico baseado em mores e hábitos aceites universalmente pela comunidade e que têm o peso de lei.
 Ukambula é o termo que, traduzido para português, equivale a cometer delito ou desviar-se socialmente. A autoridade administrativa e a sua corte, no caso o rei/soba é também o garante da legalidade na sua jurisdição, sendo auxiliado na administração da justiça pelo Ñgana Thandela (espécie de ministro da justiça) que é perante a corte o responsável pela aplicação da lei.
O delito maior é o assassinato ou seja a morte de alguém, de forma voluntária, o que pressupõe dizer que o direito à vida é o principal que a sociedade atribui ao homem.
Roubos, furtos, violações, falsos testemunhos, agressões físicas e verbais, incêndios contra propriedades privadas e ou colectivas (como as coutadas) são frequentes, sendo igualmente os desvios às normas sociais mais conhecidos e punidos de acordo ao direito consuetudinário.
Fruto da sua crença no poder dos defuntos e antepassados e sua irreligiosidade (muitos são ainda animistas embora proliferem as novas seitas de orientação cristã) os povos em referência têm uma grande crença no feitiço. Daí que acusações de feiticismo preenchem o dia-a-dia do soberano e das comunidades.
Entre as penalizações constam a simples censura, restituição de bens de terceiros (roubados ou danificados), indemnizações (pecuniárias e em espécie), castigos físicos consentidos, entre outros.
A autoridade do rei/soba é reforçada pelo animismo e pela ideia de feitiço. O rei/soba é tido como o detentor do mais forte feitiço, daí que para além de respeitado é igualmente temido, sendo as suas convocatórias, normalmente de comparência obrigatória. Os povos destas comunidades apesar de professarem algumas crenças religiosas (católica e protestantes) têm uma ligação muito forte a seus ancestrais e retornos a práticas animistas.
No esforço de conciliação entre o moderno e o tradicional, muitas vezes os reis/sobas encaminham determinados "casos" às autoridades políticas e judiciais, sobretudo casos de homicídios voluntários, evitando-se assim que seja executada a justiça por mãos próprias. As autoridades policiais locais (as mais próximas) têm sido igualmente várias vezes chamadas para dirimir querelas que os soberanos julgam poder fugir do seu controlo. Outras vezes, são os próprios cidadãos que recorrem ao direito positivo, sempre que julguem ineficazes os julgamentos comunitários.



Suporte:
1-http://pt.wikipedia.org/wiki/Max_Weber, consulta 05.02.09
2- VINTE E CINCO, Gabriel: Os Kibalas, Núcleo-Publicações Cristãs, Lda. Queluz, 1992

Texto publicado no Jornal Cultura ed. 11-24 set/18
 

segunda-feira, outubro 01, 2018

NAMBI KO EKOVONGO

- Mano André, "nó" serve "ansim". Todas as partes boas da galinha é p'ra ti e os outros, que até contribuíram no óbito, vão se lamber só nos dedos e partir ossos? Na hora da contribuição ainda o mano estava a se esconder entre as mulheres, a fingir lágrimas que não vimos. - Desabafou audível a prima Miquilina que fora avisada por uma sobrinha sobre o comportamento incivilizado de um tio.
Ekovongo é a aldeia mãe do Kwitu, capital do Vye (olongombe vye). Dizem que "o branco, quando veio do Putu, com Silva (do) Porto à cabeça, primeiro ficou no Ekovongo e depois é que foi para a urbanidade criada pelo Silva".
A embala estava em óbito. Pessoa grande, de respeito na aldeia, na "kacidade" de Kwitu e na "kicidade" de Loanda, onde quem lá brilha, na embala é tipo sol.


O finado Ekofika fez-se homem entre Ekovongo, missão de Kamundongo onde estudou bem, Kwitu onde trabalhou e Loanda onde se reformou a constituiu bens. Mas o óbito foi levado mesmo (pela menos na imaginação) à aldeia natal.
Partiu numa terça-feira de sol envergonhado, depois de muito bregar para adiar a morte. Filhos, sobrinhos, primos, amigos de todos os tempos, todos procuraram tê-lo mais tempo em vida e, por isso, ajudaram nas contribuições. Ekofika foi buscar saúde ao estrangeiro, à faca se submeteu, mas, em vão. Pariu mesmo.

- Quando Jesus te chama, você pode mesmo ir "no" melhor professor dos médicos, os anjos não te largam. - Dizia-se eufemisticamente para aliviar a dor dos filhos e da família próxima.
- Mas o mano Ekofika combateu um bom combate. Assim, a oração "venha agora o teu reino e seja feita a tua vontade", que temos orando na IECA, foi mesmo cumprida. - Desabafou outro presente também condoído.
Mano André, do prato cheio, estava ainda calado, quando essas cenas todas começaram a ser narradas. Para ele, trabalho no óbito era apenas controlar a logística e encher a pança de boa cabidela e bom vinho.
- Comigo, é médico mesmo que me disse, vinho só tinto de garrafa. Pacote "nó" entra, nem "ngalinha" da loja. - Dizia, a mostrar os dentes todos na boca.

 Se cá fora eram tertúlias, contribuições para alimentar e dar de beber às visitas, lá dentro, com a coitada da viúva, também havia trabalho. As civendji (tchivendji), senhoras que fazem companhia à viúva, tinham a missão de a distrair e com ela chorarem à chegada de um familiar próximo ou amigo importante do de cujus. Imaginavam momentos passados com o falecido Ekofika, para puxar compaixão e lágrimas, e atiravam uma expressão de todos conhecida.
- E agora, mano fulano, o Ekofika nos deixou. Twasala ulika!

Outras civendji que não tinham convivido o suficiente com o finado recordavam seus entes partidos há muito e soltavam, à memória, choros acompanhados, às vezes, de lágrimas fartas. Ser civendji não é "fácii", diria a minha sogra Buenos Aires.
Ao sétimo dia, as civendji são libertadas, em parte. Confinadas ao quarto da viúva, durante aquele período, são finalmente alimentadas abundantemente. Servem-lhes, por isso, bebidas e carne (aquela que sobra dos comensais, não restos, não senhor!), dão-se-lhes passagem e se dispersam, ficando apenas duas ou três, as mais chegadas à viúva, para fazer-lhe companhia nos dias vindouros, até se colocar perante facto consumado e se reerguer para a nova vida sem o companheiro.
Segue-se a reunião familiar. Filhos de todas as "cavalarias" são chamados a participar. Quem não estiver, "ngongo yaye". Descreve-se aos participantes o ambiente que circunscreveu e levou à morte o finado, no caso o mano Ekofika. Contam-se os bens materiais e imateriais produzidos (com sua ndona) e deixados pelo de cujus. Enumeram-se as dívidas contraídas e por saldar. Os credores são chamados para se pronunciarem e reclamarem dos haveres. Uns preferem perdoar os valores ou bens por receber. Às vezes, até mesmo o adversário inveterado faz-se amigo. Acabou o campeonato! Apresentam-se as contribuições recebidas para os gastos durante o nojo, sobras, etc. É assim no Ekovongo. É assim entre os ovimbundu.

Texto publicado no Jornal Cultura, ed.11-24 Set/18

sábado, setembro 01, 2018

NGOYA: A CANOA QUE SE QUER BAGRE

Reza a tradição oral entre os Ambundu do Kwanza-sul, sobretudo os do "desfiladeiro Kibala" que, no tempo das caravanas do centro ao norte, os mbalundu costumavam ir ao Libolo permutar óleo por feijão e outros produtos, como também iam a Kambambi (Dondo) permutar cera. Era na Kibala, ponto de passagem e de paragem para descanso, onde trocavam mimos com os locais a quem "improperiavam" por ló ngoya (avarentos, glutões, bárbaros), dado que os Kibala não se prestavam a alimenta-los. A expressão ngoya, para quem fala Umbundu tem esse sentido pejorativo e os Kibala com juízo não perdoam esse dislate.
Porém, nos anos 80 do século passado surgiu na rádio VORGAN um programa designado "em língua ngoya" cujo orador glosava a variante Kibala do Kimbundu. Mais tarde, 1993 foi a vez da rádio Kwanza-Sul que ignorou o instituto nacional de línguas e criou o tal "programa em ngoya". A rádio Ngola Yeto seguiu o mesmo caminho, uma década depois. Daí em diante, só ngoya em todo o lado, mesmo ao arrepio da ciência e da oralidade. Sendo que quem tenha menos de quarenta anos, pode cogitar a existência no mapa etno-linguístico de Angola de um povo ngoya. É aqui que surge a "canoa que quer ser bagre".
Vinte e cinco anos. É exactamente esse o tempo em que se tenta "transformar a canoa naufragada em bagre". Ou seja, que se propaga que os povos do Kwanza-sul, com excepção dos do Seles, Kassongue e Sumbe (Ovimbundu, segundo um mapa) falam uma língua distinta do Kimbundu a que atribuem o pejorativo designativo de ngoya.
Se a existência de um programa cuja mensagem é passada no idioma que se fala na parte esverdeada do mapa foi um bom exercício, o mesmo não digo em relação à designação inventada para a língua de matriz ambundu (Kimbundu). 
Peço argumentos técnicos e científicos dos reclamantes da suposta "língua ngoya" e não os vejo/leio/oiço, com abundância e profundidade, para além de desculpas de que "...pretendem destruir um trabalho que leva duas décadas e meia..."
O programa estará aí para a "eternidade". Só a suposta "língua ngoya" é que (ainda) não existe, pois não tem nem agrement da maioria dos falantes, nem dos órgãos que tutelam as questões que têm a ver com as línguas em Angola.
É inegável o poder de persuasão da rádio, sobretudo num meio onde ela não tem a concorrência da TV e de jornais e numa sociedade que crê na rádio como se de uma fé se tratasse, sendo os radialistas "semi-deuses da verdade". A rádio e sua propaganda podem  minar mentes e levar muitas pessoas a negar a verdade em detrimento do que é muito apregoado. Pergunte-se, pois, os idosos que língua falavam antes de surgir a rádio (programa na rádio). Antes de se popularizar o termo ngoya, via rádio, que nome atribuíam à língua que sempre falaram. A resposta simples e corajosa, será, com certeza, distinta do "bagre sem vida" que se acha no fundo das águas do Longa, nyiha e Keve.

quarta-feira, agosto 01, 2018

ÑANA KAKUNGU e ÑANA ÑUNJI

REZA A ORATURA QUE...
Existiu em terras de Kuteka, Lubolu (Libolo), entre os anos 1870 - 1930, um cidadão de nome Kabanga "Soba Ñana Kakungu", originário de Banza de Mukongu, de onde fora enviado para a região de Ndala-ya-Xipo (Dala-Caxibo), Kibala, onde desencadeou lutas expansivas do "reino" e contra a presença europeia. Esse, sempre que voltasse vitorioso, trazia como trofeu uma esposa. Era, por isso, senhor de muitas mulheres e muitos filhos.

Quando se dá a sua morte, por traição, na comunidade de Mbanze-yó-Teka (Banza ou capital de Kuteka), Munenga, as suas várias esposas foram distribuídas pelos sobrinhos (kulundula ou levirato), para que dessem continuidade à criação dos irmãos (primos) e à sua campanha expansionista e defensiva em relação ao branco. A tradição oral narra que a sua cabeça foi decapitada e levada por militares portugueses à Fortaleza de Luanda. Soba Ñana Kakungu ou Kabanga tem muitos homónimos (consanguíneos ou não) sendo alguns de sua descendência António José Cabanga (ex-árbitro de futebol em Luanda) Jacinto Abreu "Cabanga", o Cabanga que é soba da aldeia de Muxinda, em Malanje, entre outros homónimos de ascendência libolense.



Kilombo Kye'Tinu, filha de Ñana Ñunji
Antes da sua aventura militar, pelo Kuteka (comuna de Munenga), Ñana Kakungu trabalhou como contratado na fábrica de pólvora, em Luanda, cuja experiência permitiu-lhe fabricar armas rudimentares (kanyangulu) com que procurou contrapor a ocupação colonial e estender a sua influência (dos Lubolu) na região de Ndala-ya Xipo.

Enquanto pertencente ao grupo de ascendência Ngola, a história de Ñana Kakungu assemelha-se à dos Reis Nzinga e Ngola Mbandi. Portanto, não se trata de um soba qualquer.

Kitinu Kanyanga ou Ñana Ñunji (o Senhor Suporte/Guardião), seu sobrinho, substituiu-o no trono em Mbaze-yó-Teka (capital de Kuteka), vindo a dirigir aquele povo até vésperas da Independência de Angola.
Inicialmente, era uma espécie de substituto imediato na "gestão administrativa" do território quando o tio se ausentava. "Provou do poder e não mais o quis perder. Inaugurou o sobado em Mbangu-yó Teka (Mbangu de Kuteka), aldeia que era dependente de Kuteka, onde o tio era Senhor. Por essa façanha, conta-se, inicialmente mal interpretada, tio e sobrinho estiveram temporariamente de relações azedas, normalizando-as com o passar do tempo e verificação da fidelidade de um para com o outro. A morte do tio elevou Ñana Ñunji à cadeira de Kañane |uyala uñana| (rei) da região de Kuteka". Morreu em 1974 (seu neto Soberano Kanyanga nasceu enquanto decorria o óbito).

Sobas de Mbangu-Kuteka

» Ñana Phutangongo (originário de Mbangu-ya Koma)
» Ñana Kisabo Mungohuta (rainha gigante e destemida)
» Ñana Ndombo
» Ñana Luxande (Alexandre) Kingonde: pai de Januário Raúl e Makongo Kambundu)
» Ñana Ndemba
» Ñana kyombe: pai de Karyiongo ka Kyombe, Fernando Kwanza e Raúl Kita
» Ñana Kimbombo: pai de Alberto Matabicho
» Soba Kiñendu (Quinhentos): avô materno de Gilson Bondondo
» Soba Xika Yango/Manuel Carlos da Silva ou ainda Raimundo: pai de Arnaldo Carlos
» Soba Tumingu (Domingos) Mungongo: Pai de Rodrigues Mungongo
» Soba Manuel Nganga

MBANZE DE KUTEKA (KAÑANE)
 » Ñana Kakungu
» Ñana Ñunji: avô materno de Luciano Canhanga
» Ñana Ngolombole Kakulu:
» Ñana Kibele : pai de José Gabriel
 
Fonte: Recolha oral na região de Kuteka com José Kilombo Albano/2018
Obs:
1- Texto em permanente actualização
2- Ñana=Ngana: título nobilístico entre os ambundu, atribuído aos reis e ou equiparados, abaixo destes está o soba.3- Uyala uñana= entronizar-se rei
 
 
 

segunda-feira, julho 09, 2018

REESTRUTURAÇÃO DOS GCII

Dentre várias coisas, quando chamados à Conferência sobre Comunicação Institucional, no Moxico, a 6 de Julho de 2018, em que, especificamente, dissertamos sobre "Reestruturação dos Gabinetes de Comunicação Institucional e Imprensa", atestamos que:
*DP nº 3/18 de 11 de Janeiro aprova a estrutura do GCII e Revoga o Decreto Presidencial nº 230/15 de 29 de dezembro e demais legislação contrária (art.13º).
*Atendendo à ordem temporal dos DP e os efeitos de um sobre outros, já não nos podemos basear no DP 230/15 de 29 Dezembro (revogado), nem no ponto 3 do art. 27º do DP 208/17 de 22 de Setembro (estabelecia 2 Dptos para GCII) que regulamenta os princípios e normas  de organização e funcionamento dos órgãos da Administração Local do Estado.
Obs: palestra disponível por e-mail

domingo, julho 01, 2018

AS DOMÉSTICAS DELA E A IMPORTANCIA DA BUROCRACIA WEBERIANA

Ponto prévio: assunto de empregadas domésticas sempre deixei com a dona de casa, sendo a ela que recorro para reclamar sobre serviços e produtos prestados de forma deficiente.

Todas as formações, por menos coesas ou prolongadas que sejam, têm sempre algo de novo e de bom. A frequência, em 2014, de um MBA e Mestrado em Administração de Empresas, com Foco em Pessoas, tem me levado a ter a administração da casa como o meu pequeno laboratório de reflexão e ensaio.
Noto, agora mais atento aos modelos de administração moderna, que, volta e meia, a senhora está a reclamar das empregadas que voltaram a errar ou a incumprir um procedimento já corrigido ou deixaram de fazer uma rotina já habitual. E lá surge ela, dona de casa, com os bilhetinhos às suas contratadas.
Tive de recitar para ela a teoria clássica de Taylor: "mulher+tarefa+máquina (equipamentos de trabalho)", a que se deve juntar uma gestora (ela ou nomear uma das duas para coordenar a actividade, atendendo assim a teoria de Henry Fayol) e organizar uma burocracia (regras e procedimentos claros para a execução das tarefas). 
Sendo que as empregadas em nossa casa vão e vêm, escusar-se-á de passar bilhetinhos todos os dias ou ter de reexplicar tudo àquelas que venham a ser contratadas no futuro.
Para ensaiar a teoria de M. Weber, eu mesmo comecei por redigir uma burocracia: "Antes de ligar a electro-bomba verifique se todas as torneiras estão fechadas". Até os filhos acataram.
Para dar sequência, vou anotando as rotinas e descrevendo os passos da sua execução. O próximo passo será pauta-las e instituir um "caderno de ocorrências" onde serão registadas todas as anomalias e recomendações entre a contratante e as contratadas.
Sendo o exercício da autoridade formal e seu cumprimento diário, uma das características da administração moderna, torna-se também necessária a gestão da pontualidade, a tipificação (em burocracia) dos deveres e direitos entre as partes, bem como as penalizações e compensações.
Basta um olhar atento para se chegar à conclusão de que a tomada de decisões sobre "Planear, Organizar, Executar e Controlar" começa em casa.

Publicado pelo jornal Nova gazeta a 5 de Abril de 2018

quarta-feira, junho 06, 2018

LINGUA DO KWANZA-SUL: AUTONOMIZAÇÃO OU MANUTENÇÃO?

Canhanga, Vinte e Cinco, Felismino, C.Cerqueira (centro), JPedro
Um dos mais apaixonados debates a que me entrego é o que se faz sobre a problemática das línguas em Angola.
Ora vejamos: o mosaico etno-linguístico angolano é amplo. Qualquer abordagem deve sempre começar pelas duas grandes famílias que são Kongo cordofaniana de um lado e Koi-San de outro.
A primeira família dá origem às línguas bantu que possuem elementos lexicais muito parecidos.
No território angolano, entre os povos pré-bantu, temos apenas os San.
retornando aos Bantu, esses se estratificam por diversas outras línguas, cada qual com suas variantes. Assim surge o Kimbundu que possui perto de 30 variantes, sendo algumas delas faladas no Kwanza-Sul (norte e centro), destacando-se as variantes Lubolu, Sende, Kipala (Kibala), Kisama, Mbwi, Mpinda, Sumbe e Haku. Entre estes substratos podem ser encontradas outras derivações pois, a língua, enquanto elemento abstrato, tem uma variabilidade e inovação difícil de controlar
 
É essa variação na entoação e poucas vezes lexical (pois há aldeias que distam cinco quilómetros entre si mas com diferentes articulações no emprego oral da língua) que permite os povos de uma mesma família linguística identificarem-se geograficamente. A título de exemplo, os povos da Munenga e de Kuteka que, política e administrativamente, pertencem à mesma comuna, têm articulações orais distintas que os permite identificarem-se mutuamente quanto à origem geográfica (sobado). Porém falam a mesma variante de uma mesma língua, no caso Kimbundu.

A 9 de junho de 2012, o militar e político Serafim Maria do Prado, nas vestes de governador do Kwanza-sul, escreveu à ministra da Comunicação social, Carolina Cerqueira, hoje titular da Cultura, solicitando intercedência desta junto da RNA para que fosse revista a designação errônea atribuída à variante Kimbundu falada no Kwanza-Sul, nas rádios provincial e Ngola YETU. O assunto não teve o provimento esperado, pois, ao que se sabe, ou o Ministério que tutela a Rádio não orientou que se reparasse o reclamado ou essa (a RNA) não acatou. Estávamos em vésperas de eleições gerais, as terceiras, depois de 1992, 2008.

Canhanga entre os septuagenários G.Vinte e Cinco e AFelismino
Serafim do Prado, na sua missiva, sugeria que os aludidos programas tivessem a designação "Kimbundu Kyetu" (nosso Kimbundu) ou "Kimbundu do Kwanza-sul", indo de encontro àquilo que a população autóctone de maior idade responde (ainda) quando perguntada "eye oji lyahi wondola?" (Que língua você fala?). A esse questionamento, a resposta é sempre: Kimbundu ngondola/Kimbundu Kyetu/ Kimbundu ky'Epala... (falo Kimbundu/nosso Kimbundu/Kimbundu da Kibala...), cf. Canhanga 2007.

As sugestões de Serafim do Prado, embora tenha surgido na carta sem argumentos de razão, vão de encontro ao que recolhemos como resultado de inquérito oral nos municípios do norte e centro do Kwanza-Sul e em Luanda, aspectos que devem ser  deve ser valorizado e adicionado ao que escreveram Heli Chatelain, Redinha, Vinte e Cinco, entre outros. Ademais, nas circunstâncias de Angola em que não abundam os trabalhos escritos, toda a ciência que envolva a etnografia, antropologia e história deve sempre ter o terreno e a oralidade como ponto de partida (laboratório) e o gabinete como fábrica (para multiplicação e difusão do conhecimento experimentado).
O dinamismo das línguas sempre levou à emancipação de algumas variantes ao passo que outras se mantêm- ligadas á matriz. Porém, todo nome tem de ter um sentido etimológico e semântico, o que me parece não existir no caso dos proponentes de ngoia como  designação de uma suposta língua (que pretendem autónoma do Kimbundu) falada no território norte e central do kwanza-sul.

NGOIA NÃO ATENDE AUTONOMIZAÇÃO NEM MANUTENÇÃO
 
Tendo surgido, de algum tempo a essa parte, alguns angolanos que, ao arrepio da ciência, atestam a existência de uma suposta língua ngoia em Angola e mais concretamente no Kwanza-Sul, sem que para tal exibam documentos (físicos ou orais), um grupo de três cidadãos da Kibala (Gabriel Vinte e Cinco e António Felismino) e Libolo (Luciano Canhanga), para além de vários estudos científicos que têm vindo a realizar e a publicar, deslocou-se à sede do Ministério da Cultura para informar a Ministra que "nós, do norte e centro, do Kwanza-Sul não falamos ngoia".
 
A Dra. Carolina Cerqueira orientou o Director do Instituto de Línguas, Dr. José Pedro, a  organizar, no terreno, um encontro e fazer uma súmula do "constatado" para que ela (Ministra) com os dados que lhe chegarem ao conhecimento, possa interceder (ou não) junto do seu homólogo da Comunicação Social, no sentido se colocarem nas rádios angolanas (Emissora do Kwanza-Sul e Rádio Ngola Yetu) "os pontos nos is e os traços nos tês", em relação à língua (mais) falada no Kwanza-Sul.
Quanto a mim, há dois vectores para centrar o debate. Um é o da manutenção do status quo e o outro é o da autonomização da variante falada no norte e centro do Kwanza-Sul, atribuindo-lhe um nome que seja "confortável" ao povo acima referido, tendo em conta a sua ancestralidade.
 
Se o vector for o da não emancipação, pouco há para se discutir. É Kimbundu, cuja variante mais audível é da Kibala. Aqui bastaria mudar a designação do programa inserto na grelha da Rádio Kwanza-Sul de Ngoia para Kimbundu. Porém, a Rádio Ngola Yetu não deverá ter dois "programas em Kimbundu".

Se a questão for a emancipação/autonomização da língua falada no norte e centro do Kwanza-Sul, à semelhança do Songo, Luc|h|azes, Bunda, Lunda-Ndembo, etc., que estão em processo de dissociação das línguas matrizes (Kimbundu, Ucokwe), pois as variantes passaram a ter uma nova designação, aqui deve-se focar em encontrar um nome que atenda à idiossincrasia, cultura e história deste povo. Qualquer nome deve representar fiel e cabalmente um povo. Aqui, as Rádios acima citadas deverão renomear os seus espaços com a designação que for achada.
Para terminar, lembro que em nenhum mapa etnolinguístico de Angola consta o suposto povo Ngoia.

Texto publicado pelo JORNAL CULTURA

sexta-feira, junho 01, 2018

A COETANEIDADE ENTRE OS POVOS KUTEKA

Entre Kisama, Ndala Kaxibo e Tumba Grande (Munenga) fica a região de Kuteka, uma regedoria que atende as aldeias de Mbango, Hombo, Kiphela, Hombo e Mbanze (capital). Cada povoado tem um soba (autoridade tradicional local), sendo o "ngana" ou kañane o título do soberano. Os povos do Kuteka, oriundos de Mukongo (região do Libolo) num tempo que não ficou registado, sempre se consideraram súbditos de ngola, monarquia de Ndongo e Matamba.
Entre os púberes kuteka e não só, o termo "kibhá", corruptela do português "epá", é o designativo de homólogos, coetâneos ou da "igualhagem". E ser Kibhá não é apenas questão de desempenhar papel social semelhante ou nascer ao mesmo tempo. Há "outros condimentos para ser-se kibhá".
Frequentar juntos a iniciação masculina (onzo imema), ter nascido no mesmo período, enfrentar juntos e com galhardia um desafio ou um perigo, frequentar junto as casernas, ter empatado uma disputa, (independente da idade), etc., são atributos para que dois ou mais indivíduos se sintam e se tratem como homólogos. Isso leva a que alguns de idade superior sejam considerados "kibhá" de indivíduos mais novos e vice-versa, dependendo do retardamento ou precocidade em termos de desenvolvimento psico-social e físico.
Mas, entre os povos ribeirinhos de Kuteka, nem tudo se resolve entre os "kibhá". Um mais velho o é em todas as circunstâncias. Os mais novos, por exemplo, não devem pronunciar dislates perante os mais velhos e se devem ausentar se esses estiverem em conversa que apenas diga respeito aos pares daquela faixa etária/social.
Os mais novos são (considerados) "serventes" dos mais velhos au passo que estes, os makota, são defensores automáticos dos mais novos, quando necessário.
O soba é ainda a autoridade máxima, sendo que ao kañane (ngana que governa a partir de Mbanze-yo Teka) são remetidos assuntos cuja solução transcenda as competências dos primeiros. Querelas que vão desde injúrias, ateamento de fogo em coutada colectiva, pagamento de dívidas, ofensas corporais e até homicídios são, geralmente, reportadas ao soba que os julgamentos segundo a tradição e o direito consuetudinário, resultando em pagamento de indemnizações por parte do ofensor ao lesado.
 
Os povos de Kuteka, comuna de Munenga, município do Libolo, são pescadores, agricultores, pequenos criadores de gado de médio porte (cabras, ovelhas, porcos), pequenos avicultores (galinhas, patos) e ainda praticam a recolecção em escala residual. A pesca é feita no rio Longa, o principal da região, e em outras ribeiras onde os cardumes abundam. Têm laços de parentesco com os Kipala (Kibala), com quem conservam proximidade geográfica e afinidades linguísticas, sendo muitas vezes confundidos mais com esses do que com os kalulenses. Têm igualmente laços com os Kisama, Kindongo, Kilenda e Karyangu.

NOTA: dentre os régulos (kañane) de Kuteka, conta-se Kanyanga Masaka ou Ñana Ñunji (meu homónimo avô)

Texto publicado (parcialmente) no Nova Gazeta de 12.04.2018 e Jornal Cultura de 22 de Maio/18

terça-feira, maio 01, 2018

KAXOMBA: O QUE É?


O ambiente rural de Angola, entre os ambundu, regista o vocábulo "Kaxomba" que se reporta a uma patologia que afecta crianças ainda de tenra idade. O registo é de que o infante fica debilitado e com aspecto pálido. Casos dessa natureza, quando levados aos serviços médicos, são, geralmente reportados como anemia.
lançada a questão a parentes e amigos kwanza-sulinos e malanjinos sobre o que é "Kaxomba", como se manifesta, como era tratada e quais eram7são as consequências, recebemos as seguintes respostas:
"Kaxomba é uma doença (que se manifesta) em tenra idade,1 a 2 anos, e que os velhos diziam que (ser) sangue a mais, enquanto, no fundo, era anemia severa. Tratamento: lâmina ou outro objecto cortante na mão da avó ou tia, fazendo alguns tracejados (no rosto da criança), seguido de banhos de água morna e folhas cheirosas", respondeu Matias P, também ele vítima de tal "tratamento" que o deixou com "tatuagens em baixo relevo" no rosto.
Jaime CC, licenciado em enfermagem, acrescenta que a dita é "doença amigdalítica que impede a criança de se alimentar, causando anemia".

Para Judite L, licenciada e mestrada em enfermagem e com conhecimento da realidade brasileira, o que se designa por "cachumba" no Brasil é a nossa famosa papeira, quando a criança fica com a região da mandíbula abaixo das orelhas inflamadas, situação que ocasiona febres e dores ao mastigar ou engolir alimentos. Os mais velhos nas aldeias, persegue,  tratavam com óleo de palma e fricções no local.
Francisco C. diz que "...foi uma prática que assolou parte dessa Angola. A região de Songo, Kunda dya Baze, Kaombo e Marimba, em Malanje, não foram poupadas".
O. Pedro L diz que "em finais dos anos 80 do século XX ainda assistiu a essas acções, mesmo em Luanda, no bairro Sambizanga, praticadas por gentes oriundas de Malanje e Kwanza-Sul"...
A "kaxomba" foi responsável, até finais do século XX, por muitas mortes infantis. Crianças com a dita doença eram submetidas à extracção de suposto "sangue mau" para que "a doença abandonasse o corpo e com o novo sangue (que muitas vezes acabava não tendo) ganhasse saúde". Quando vemos adultos e jovens com tracinhos (faquinhas) no rosto, nos devemos lembrar que não foi (apenas) por uma questão de "kidimbu" (de que origina a palavra portuguesa carimbo), tradicional entre os súbditos (emissários) do rei Ngola. Trata-se de uma tentativa (crença mitológica) de salvar a criança adoentada e acossada por anemia que podia até derivar de má nutrição. Por isso, um crasso erro de gente com essas crenças e falta de informação médica.
A dita "kaxomba" é anemia, debilidade do sistema imunológico. 
Empenhemo-nos na formação e informação e haja menos discriminação de quem foi vítima de ignorância, falta de meios de atendimento médico e medicamentoso e até mesmo de cuidados alimentares para com infantes.
Se persistir ainda essa crença por algum lado do nosso país, devemos formar e informar e evitar mortes e ou ostracismo e bullying no futuro.
A kaxomba cura-se no hospital. No Brasil uma patologia descrita com os mesmos sintomas que "a nossa kaxomba" é designada cachumba, inexistindo naquelas paragens a cura por meios mitológicos como acontecia até há bem pouco tempo em Angola.




domingo, abril 01, 2018

A "RENDA" NA VOZ DE KILOMBO KITINU


A abolição internacional da escravatura aconteceu no séc. XIX (1883) mas a sua materialização efectiva levou décadas, para não dizer século. Porém, os detentores de escravos e aqueles que faziam da captura/compra, utilização doméstica e venda de "peças humanas" o seu negócio procuraram diversas artimanhas para fazer dos homens nessa condição meros objectos.
Ou se mudavam as rotas do Atlântico para o Indico ou se praticava a escravatura (depois com outras faces) no território nativo.
Kilombo Kitinu, filha de regedor e neta de ex-proprietários de "mabika" conta, aos setenta anos, que "meus bisavós Mungongo e Kaphote Kasenda, todos da região de Kindongo/Kisama, eram detentores de mabika que depois de alforriados, 'quando chegou a ordem', tornaram-se parentes".
Quando comecei a trabalhar na "renda" ainda adolescente, às vezes não percebia o tratamento que me era dado, explica. Recebiam-me como rainha (embora o fosse) e estendiam panos onde me sentava. Só mais tarde me fui apercebendo que era a forma grata como os ex-mabika tratavam os antigos proprietários ou seus descendentes conhecidos que os haviam tratado com dignidade.
Mas de descendente de "esclavagistas", Kilombo Kitinu também experimentaria o fel da escravidão camuflada em pseudo-contratos rendeiros, onde crianças e adolescentes não eram poupadas na abertura de vias rodoviárias, apanha de café, processamento de tabaco, limpeza de capoeiras, entre outros trabalhos.
Como a máquina funcionava?
Os colonos recém-chegados, fossem portugueses ou alemães, iam ao posto administrativo requisitar "pretos para trabalhar", não se seleccionando a idade. O posto administrativo obrigava o soba a mandar ao "contrato" os seus aldeões e, nessa difícil tarefa, não podia excluir seus filhos e sobrinhos. Foi assim que ela, filha de regedor de Kuteka, também frequentou as fazendas do Prata, Kabumbulu, Ngana Mbundu, Senhora Kasenda, Conde, entre outras como "trabalhadora rendeira".
Terminado o período de um ou mais meses, outros eram "recrutados" para render os primeiros. Por isso, a oralidade conserva o termo "renda" para designar esse tipo de trabalho semi-escravo que se desenvolveu até à segunda metade do Sec. XX, antes da independência em Angola.
Kilombo Kitinu recua no tempo e estabelece um marco:
- Quando se abriu manualmente a picada de Kawayawasa, para o alemão Ngana Mbundu (Walter Kruk), foi quando nascemos. Aí chegou a ordem para o fim da escravatura. As pessoas que trabalhavam na abertura manual da picada  tinham as mãos rebentadas (calejadas e feridas). Entrou depois a renda. As nossas chinelas eram de pele de cabra. A todas as pessoas, os brancos chamavam apenas por ó preto! E os negros respondiam patrão! Nesses trabalhos, as meninas ficavam, às vezes, duas semanas que eram remuneradas com pouco dinheiro. Só chegava para comprar um par de brincos ou missangas para mãe, pano e sabão para a trabalhadora.
Narrou ainda que entre os seus parentes directos, duas pessoas se destacaram na fazenda da alemã conhecida por Senhora Kasenda (os nativos atribuíam outros nomes mais familiares aos europeus). Eram o mano Doce (cozinheiro) e o papá Kabota (capataz). Esses viviam lá no acampamento com suas famílias e só iam à aldeia de Mbangu-Kuteka visitar os parentes. Falavam a língua dos alemães e as suas mulheres e filhos vestiam-se bem. 
Do outro lado do rio Longa, território de Dala Kaxibo, também havia alemães. Kilombo Kitinu citou Kabumbulu e Kilenge (nomes atribuídos pelos nativos). 
De recordação em recordação, "viajou" por Kixinje, território da Kisama onde, ainda garota, trabalhou na abertura da picada que termina em Kandanji (margem do rio Kwanza, junto ao Dondo). 
- As mulheres também abriam picadas com enxadas...

Obs: Publicado nas pgs 12 e 13 do Jornal Cultura de 19Dez/17 a 02 Jan/18.