Número total de visualizações de página

sábado, abril 15, 2017

O DESAFIO DE GESTÃO DE PESSOAS EM 2017

Expressões como "temos de nos habituar a um novo normal" ou "o futuro é de muitas reservas quanto ao ambiente macroeconómico" já fazem parte do nosso léxico diário. Na verdade, quem era adulto nos anos oitenta e início da década de noventa lembra-se do quanto se apertava o cinto e quanto esforço faziam o Estado e as famílias para nos mantermos íntegros e vivos.
 
A paz, a democracia multipartidária e a melhoria do preço das nossas comodities trouxeram um outro "normal" que se traduziu em crescimento e desenvolvimento do país e das famílias. A vida é um ciclo, um percurso com altos e baixos. Há "recuos" que permitem reajustar o modus vivendi e proporcionam saltos quantitativos e qualitativos. Pode ser que este "normal" que vivemos nos leve a melhorias futuras.
 
Pretendemos trazer aqui algumas orientações que nos foram transmitidas no encontro mantido a 23.02, com o Maptss e MINFIN, sobre materialização das disposições contidas no Dedo. Presid. 314/16 e Dec. Presid. 1/17 que aprova o OGE em curso.
 
Uma grande expectativa gira à volta de promoções e eventuais admissões na função publica.
Para já, é ponto assente que todas as movimentações a fazer terão de cingir-se ao que está actualmente orçado com Pessoal, não se podendo aumentar despesa com o capital humano.
 
Apenas o valor financeiro correspondente as vagas abertas em 2016 (aposentações, óbitos, destacamentos prolongados, despedimentos) será utilizado para toda a "engenharia" de gestão do crescimento do pessoal, num exercício que se estenderá até Setembro. Portanto, é preciso, agora, contabilizar quantas vagas temos, quanto representa em dinheiro e que movimentações permitirá fazer em termos de acesso, ingresso e possíveis admissões de pessoal que esteja já vinculado à administração pública por contratos a termo certo ou comissão de serviço (apenas nesses termos).
 
Embora matéria sensível, pela expectativa criada ao longo de 04 anos sem movimentação do capital humano, os técnicos do GRH estão ao dispor para detalhes sobre o assunto.
 
Escrito para e publicado no InfoGeoMinas, Março|17 

sábado, abril 01, 2017

A COMPLEXIDADE DA LIDERANÇA

Elegi hoje Maxwell e Renato Brandão para discorrer um pouco sobre a complexidade da liderança e tomada de decisões numa organização.

A natureza racional do homem, mais do que facilitar, aumenta a complexidade quer da gestão das organizações quer do exercício da liderança.

Diferente da chefia, a liderança é um processo que leva à adesão voluntária dos liderados (equipa), sendo mais fundada em valores do que em meios coercivos (primado da lei, regulamentos, autoridade formal, etc.).

Segundo Brandão, muitos “líderes” de organizações servem-se do poder ou da patente que lhes foi dada para atingir os seus objectivos ou os da corporação, não sendo esse o mais alto nível de liderança.

O autor prossegue que “um líder carismático, verdadeiro, focado e consciente é muito mais respeitado que um autoritário”. Não que a autoridade não funcione ou não tenha valor. Ela é importante, mas sozinha não eleva ninguém acima do que é básico. Uma boa liderança deve enxergar para além do óbvio.

John Maxwell, renomado cientista da Administração, destaca 5 níveis de liderança:

5º Nível – Auge: está relacionado com o Respeito.  As pessoas seguem pelo que o líder é e pelo que representa. É pelos exemplos que dá, pela participação nas tarefas que se reconhece a qualidade do líder (sobretudo no nível de gestão operacional).

4º Nível – Desenvolvimento de pessoas: aponta para a Reprodução. As pessoas seguem pelo que o líder faz ou fez por elas. Ser atencioso, não só aos aspectos laborais, mas também pessoais dos liderados faz com que estes ganhem estima pelo seu “pastor”.

3º Nível – Produção: Está direcionado para os Resultados. As pessoas seguem pelo que você faz ou fez pela organização. Se o líder for dedicado em melhorar o trabalho e a reputação da organização (Direcção ou Departamento), maior será a adesão dos seus liderados a esses valores.

2º Nível – Consentimento: Está ligado ao Relacionamento. As pessoas seguem porque querem. Tem a ver com o lado consciente do indivíduo e pelas opções.

1º Nível – Posição: Está interligado com a Obrigatoriedade ou o poder formal. As pessoas seguem porque elas são obrigadas a fazê-lo. É aqui que se exerce a chefia, propriamente dita, que é um dos atributos que deriva do poder delegado.

O exercício da liderança é um privilégio e uma responsabilidade que não se estende a todos. Os líderes são responsáveis pela eficácia (fazer as coisas certas) e a eficiência (fazer as coisas da maneira certa) da organização.

Segundo Maxwell, citado por Brandão, espera-se que os líderes sejam líderes, isto é, tenham no mínimo, uma visão clara do futuro para aonde conduzem os seus liderados, uma sensibilidade aguçada para que este futuro seja fruto dos sonhos e anseios dos liderados e um senso de responsabilidade para com a organização/organismo, pois os líderes não são servos dos liderados, mas servos da visão comum. Servir os liderados é a maneira como os líderes servem à visão, e não a sua finalidade essencial.

Três capacidades são enumeradas pelos cientistas da Administração para que um líder execute com alguma perfeição as responsabilidades acima elencadas:

1- A capacidade de conviver com a solidão. Líderes são líderes porque enxergam, percebem, sentem, sabem, estão dispostos a sacrifícios, possuem paixão diferenciados em relação aos liderados. Um líder na média dos seus liderados é um liderado que está no lugar errado, ocupando a posição de líder.

 2- A capacidade de tomar decisões impopulares. John Kennedy disse que o segredo do fracasso é “tentar agradar todo mundo”. O líder deve sempre tentar construir consenso, mas deve ter coragem para tomar decisões e assumir responsabilidades. Caso contrário, será um “facilitador de discussões”, e não um líder de facto.

3- A capacidade de conviver com críticas. Diz-se entre os cristãos  que “nem Jesus Cristo agradou todo mundo”. Nesse caso, uma vez que o líder se posiciona, assumindo sua responsabilidade de levar os liderados rumo ao bem comum, certamente contrariará interesses particulares, e consequentemente será alvo de palavras duras e imerecidas.

Por último, importa revisitar os níveis de decisão e comportamento para que nos saibamos reposicionar.

A ciência da Administração aponta o Nível Estratégico (liderança de topo): toma as decisões estratégicas da organização e faz o planeamento estratégico. Se pretendermos fazer uma analogia com a nossa Organização, aqui posicionamos os Membros do Governo (Ministro e seus dois Coadjutores); Nível Tático (liderança intermédia que toma decisões táticas e faz planeamento tático): é aquele que se situa entre a alta hierarquia a e liderança das equipas operacionais (no nosso caso os Departamentos e Secções). Podemos colocar aqui a Secretária Geral e os Directores. Estes recebem as orientações estratégicas da Liderança de Topo, as interpretam, distribuem ao nível inferior e fazem o PDCA (do inglês: PLAN - DO - CHECK - ACT ou Adjust: é um método iterativo de gestão de quatro passos, utilizado para o controle e melhoria contínua); Nível Operacional (chefias de Departamento e de Secções): tomam decisões operacionais e faz planeamento operacional, materializam as decisões estratégicas, convenientemente interpretadas e ajustadas pela liderança intermédia. A esses se exige presença física nas instalações da organização, participação no labor das equipas, controlo da qualidade e correcção.

Em linguagem menos tecnicista, podemos comparar a hierarquia e responsabilidades dos Níveis de Decisão com o que acontece numa fazenda: o Proprietário tomas as decisões estratégicas sobre como aumentar o negócio. O Gerente interpreta e transmite as linhas estratégicas ao pastor, planificando, acompanhando e checando a sua implementação. O Pastor trabalha todos os dias com as “ovelhas”, levando-as ao bom pasto.

Suporte: http://www.dicasprofissionais.com.br/lideranca/, acesso a 07.01.2016.