Número total de visualizações de página

domingo, dezembro 20, 2015

UMA PARAGEM NA PEDRA ESCRITA DO LIBOLO

Reza a história (recurso à combinação entre oralidade e vestígios de escrita) que um mestiço cabo-verdiano entendeu construir uma pousada na rota entre Dondo e Kibala, estrada nacional 120. E fê-lo exactamente a quatro quilómetros do rio Longa que separa os municípios do Libolo e Kibala. O ano da construção está perdido na memória, mas ainda por aí estão os que participaram da construção do imóvel, cuja parte frontal foi poupada pela guerra. Dizem ter sido nos anos sessenta do século XX.

Olímpio de seu nome, assim também se chama(va) o seu herdeiro que dirigiu a pousada nos anos oitenta e noventa do século passado, entendeu publicitar o seu investimento e escolheu a maior pedra daquele troço.

A dez quilómetros de Lususu, onde ergueu a pousada, encontrou uma grande pedra, do lado esquerdo de quem trafega no sentido Dondo-Kibala. Com audácia e engenho, os homens pegaram em tinta e pincéis e gravaram a meio do pedregulho que deve medir uns trinta ou mais metros de altura:
“Lussusso
Estalagem Boa Viagem”

De lá para cá, quer a pedra quer a aldeia que emergiu nas redondezas do já quase monumento, nos anos oitenta, são tratados por “Pedra Escrita”.

A estalagem de que só resta a parte do restaurante, pois os aposentos traseiros não foram poupados pela acção devastadora do tempo e sabotagem casada com a guerra civil, é conhecida por “Bar do Olímpio”.
O bar do Olímpio é o único ainda intacto e em funcionamento em Lussusso, dos três que existiam nos anos 80 do século XX, nomeadamente: Bar do Falção e Bar do Miguel Neto.

domingo, novembro 01, 2015

GERINDO HOMENS E RECICLANDO VASSOURAS

Geralmente, as pessoas chegam às organizações empresariais super motivadas, mesmo não ganhando tanto quanto gostariam ou tanto quanto a sua carteira de custos demanda. Estão motivadas porque ocorre-lhes mostrar o que sabem, aprender o que lhes falta e encarnar o ADN ou cultura da organização. Mostram-se propensos a fazer mais do que aquilo que deles se espera ou se lhes exige, sendo por isso tratados na gíria das organizações como "vassouras novas".
Sempre que numa organização as coisas estagnaram em relação ao desempenho do Capital Humano, a primeira ideia da gerência vai para a contratação de um novo integrante, com provas dadas e super motivado para reforçar e oxigenar a equipa em aparente apatia. É a chamada "vassoura nova" que varre tudo quanto seja trabalho que lhe seja delegado. Comumente, os novos integrantes, por desconhecerem ainda a casa, surgem sem grandes vícios de absentismo laboral e, por conseguinte, não se entregam à ociosidade.
Quem nunca passou por essa experiência na condição de novo reforço de uma equipa ou, na qualidade de Gestor, recorrendo à contratação de uma "vassoura nova"? Mesmo nos nossos domicílios, costuma-se dizer, e com dose de razão, que "uma nova vassoura varre melhor". Porém, mais prudente será aquele que fizer o reaproveitamento inteligente de todas as vassouras antigas que tiver. Trocando os cabos, invertendo as bases, reforçando os palitos naquelas em que a moldura se apresente vazia, etc. Assim também é na Gestão de Pessoas.
Com o tempo, a ausência ou atraso na progressão de carreira, o incumprimento da expectativa inicial quanto ao incremento da remuneração,  a falta de respeito pelo seu trabalho e, às vezes, a falta de consideração por parte das lideranças e dos integrantes da equipa, acabam desmoronando todo aquele edifício motivacional, caindo na rotina e acomodando-se na zona de conforto. Tal como nos nossos domicílios, a "vassoura nova" se junta as antigas e reforça o exército das que pouco ou nada fazem em prol da organização.
Se o causa da apatia do Capital Humano tiver que ver com desajustes institucionais e não meramente com a acomodação na zona de conforto, a "nova vassoura" começa a funcionar tal qual varrem as outras: a trabalhar com brechas, com falta de atenção, com falta de precisão e desatenção ao tempo de entrega dos produtos e ou serviços, prejudicando os prazos do patrão ou da liderança. O descontentamento, a desmotivação, e espírito de deixa andar ou deixa fazer e outros comportamentos negativos começam a invadir a sua mente.
- Já fiz a minha parte. Fiz o máximo. Pensei e inovei o quanto pude. Agora que venham outros! – Diz-se vezes sem conta nas instituições. Pessoas jovens, muitas vezes, se entregam ao desleixo de nada fazer. Gastam dinheiro nos transportes para ir e voltar do local se serviço, deixam filhos e família manhã cedo e regressam à noite, com o pretexto de que vão trabalhar, quando as oito horas diárias são passadas no trabalho e não a trabalhar.
Nesse estágio, quando os casos se generalizam, há que se fazer um diagnóstico sobre a situação geral e conter ou mitigar as causas.
Já se sabe que não é destruindo todas as penelas velhas e comprando outras substitutas que se obtém a boa comida, pois o tucokwe (povos do leste e nordeste de Angola) dizem, e bem, que "doho ikulu ikateleka kulya cipema!" (A panela velha faz boa comida!).
Como fazer da "vassoura velha", aquela que limpa com brechas, uma "vassoura renovada" e que se renove todos os dias?
Não sendo esse exercício um ensaio científico e com suficiente suporte bibliográfico, mas baseado tão somente na experiência que o autor vai acumulando, eis algumas dicas:
- Formação e capacitação do Capital Humano (quer seja on job ou fora do local de serviço): cursos de especialização, formação académica, palestras seminários, conferências e outros eventos correlacionados podem servir de balões oxigenadores.
- Política de Incentivos e Recompensas: Instituir uma jornada que seja por objectivos e resultados e não por mera presença física. Há quem é assíduo e pontual mas que não produz  como haverá gente sem assiduidade, nem pontualidade que produza mais. Distribuindo tarefas concretas, objectivos e metas bem delineadas pode ser um caminho. De seguida, serão (re)compensados aqueles que venham a superar as metas, o que incentiva os demais a seguirem-lhes o exemplo. Quem mais produz deve ganhar mais. E, retenha-se o ganhar mais nem sempre se deve traduzir em dinheiro. Há muitas formas de motivar ou recompensar as pessoas. Elogios em público (criticas em privado), um novo meio de trabalho, beneficiar de viagem de serviço, participar de uma reunião em que apenas os líderes fazem parte, representar a organização em eventos, são pequenos gestos e acções que podem motivar e galvanizar o Capital Humano para mais empenho e chamar os outro ao bom exemplo.
- Rotação e ajustamento em novas tarefas (mobilidade interna): o curso do tempo de trabalho numa organização leva as pessoas a terem novas preferências em termos de tarefas. Há ainda aqueles que ganham novas habilidades. Torna-se, por isso, importante estar-se atento a isso. Quem beneficiou de uma nova formação on job, distinta da inicial, procurará implementar o seu novo conhecimento. O mesmo se dirá em relação a quem tenha concluído um novo ciclo académico ou tenha uma nova formação distinta daquela que possuía quando foi recrutado. Daí a necessidade do estudo da composição do capital humano da organização, de tempo em tempo, para aferir as principais mudanças ocorridas e fazer os ajustamentos pertinentes. Toda a mobilidade, mesmo interna, redundará sempre em vassouras novas ou vassouras renovadas que devem ser cuidadas e com energias renovadas  para que nunca percam o vigor e o bem fazer.
Sendo o Capital Humano dotado de uma complexidade psíquica e intelectual, geri-lo é das tarefas mais difíceis, exigindo a interdisciplinaridade e a participação de todos os Gestores da Organização. É, destarte, a Gestão de Recursos Humanos ou Capital Humano uma tarefa transversal a toda a Organização e não apenas da área encarregue de gerir os processos administrativos de Recursos Humanos.

quinta-feira, outubro 01, 2015

HOMÓNIMAS EM KIMBUNDU


Divagando em Kimbundu, "língua dos meus papás, "que não devo esquecer"!

Kuzola:
a) verbo intransitivo equivalente em português a rir.
b) verbo transitivo directo equivalente a gostar/amar.




- Ngala utala ngo mathu ala uzola/ Ima wala uzwela ya bolo. Ngandala kuzola.
 > Assisto apenas as pessoas a rirem. As coisas que dizes não prestam. Dá-me vontade de rir/quero rir.
...
- Kalumba yo nga muzolo kyavulu.
> Gosto/amo muito (d)aquela moça/rapariga.

- Kuzola kituxi.
> Amar/gostar é pecado/crime.

terça-feira, setembro 01, 2015

EM KIMBUNDU TB NOS ENTENDEMOS III

Na Língua bantu Kimbundu, todos os verbos na forma infinitiva começam invariavelmente pelo prefixo "ku", correspondente ao "to" do inglês: (to be, to see, to love).
Temos assim, em Kimbundu: kulesa (lamber), kwenda (andar), kukamba nguzu (fraquejar), kwya (ir), kwiza (vir), kubiluka (virar), kuxaxata (apalpar), kudilonga (aprender), kufuta (pagar), kukema (gemer), kudya (comer), etc.

 Fonte: Adaptado do tipografado de MULELE, S/D.

sábado, agosto 01, 2015

EM KIMBUNDU TAMBÉM NOS ENTENDEMOS II

No seu "Manual de aprendizagem de Kimbundu"*, sem data, que me chegou às mãos em 1993, MULELE, diz que os substantivos comuns, em Kimbundo, subdividem-se em seis classes que fazem o singular e plural de forma distinta.
Ei-los, seguidos de exemplos nos dois números.
1ª- classe: mu-a (muthu-athu)- pessoa
2ª- classe: mu-mi (mundele-mindele) - branco
3ª- classe: ki-i (kima- ima; kyama-yama)- coisa; animal
4ª- classe: di-ma (dibengu-mabengu) - ratazana
5ª- classe: i-ji (ingo-jingo) - onça
6ª- classe: ka-tu (kambonga-tumbonga) - criança.
Nota: nesta obra, que suponho anterior ao alfabeto convencionado pelo Instituto de Linguas Nacionais, em 1984, o autor já usa K em vez que Q embora não transforme "U em W" e "I em Y" quando essas vogais se encontrem diante das demais vogais "a, e, i, o, u".
O autor explica ainda que "G", antes de "E e I", terá sempre o som de "gue". Os sons portugueses equivalentes ao "ch" são representados pela letra "X".


* título de minha autoria pois o dactilografado de Mulele não apresenta a capa.

quarta-feira, julho 15, 2015

A REALIZAÇÃO DO PRONOME REFLEXO EM LÍNGUAS COMO KIMBUNDU E UKOKWE


Estive a fazer um pequeno estudo comparado entre o Kimbundu e Ucokwe, línguas faladas em Angola (oeste e leste).
Quando perguntei às minhas turmas de L. Portuguesa (uma da Universidade Lueji A Nkonde e três do Inst. Sup. Polit. Lusíada da Lunda Sul) como traduzir para Português as expressões em Ucokwe "mukwatenu, mulambenu e mulilenu", as respostas dos estudantes falantes de Ucokwe foram: lhe agarram, lhe batem, lhe chorem.

As expressões bantu acima mencionadas pouco diferem do Kimbundu "mukwatenu, mubetenu e mudilenu ou murilenu" (agarrem-no, batam-no e chorem-no".
Em Kimbundu e Ucokwe, a pronominalização é realizada pela anteposição do pronome que se torna prefixo do verbo.
Assim: dá-lhe é, em Kimbundu "mubane". Ngwece (pronuncia-se nguetche) é largue-me/larga-me em Ucokwe.
=
Em termos de uso do pronome oblíquo “lhe” na pronominalização, é míster assinalar que ele substitui o complemento indirecto, ou seja, aqueles regidos de preposição, enquanto os pronomes o, a, os, as e variações como lo, la são complementos directos.

Já em Língua Portuguesa, a expressão “cumprimentar-lhe”, por exemplo, está errada, pois o verbo “cumprimentar” é transitivo directo, ou seja, exige complemento sem preposição.
a) Quero cumprimentar o meu pai pelo esforço empreendido. Quero cumprimentá-lo pelo esforço empreendido.
 

quarta-feira, julho 01, 2015

EM KIMBUNDU TB NOS ENTENDEMOS I

EM KIMBUNDU TB NOS ENTENDEMOS I
Pronomes pessoais (associados ao verbo kudya equivalente ao comer, indicativo, presente)
Eme - ngidya
Eye - udya
Mwene - udya...
Etu - tudya
Enu - mudya
Ene - adya



Fonte: MULELE, S/D.
 

segunda-feira, junho 15, 2015

O PLURAL DOS NOMES EM KIMBUNDU

- Ngala utunda kudibya (venho da lavra);
- Wala utunda ku mabya (vem das lavras);
- Twala utunda kumabya (vimos das lavras).
Em kimbundu, o plural (dos nomes e verbos) faz-se prefixando os determinantes aos nomes e verbos para fazê-los concordar em número.

segunda-feira, junho 01, 2015

AO ENCONTRO DE KAMUXIBA

Kamuxiba
Hoje começo com um pedido clemência aos antropólogos angolanos e busco harmonização do percurso etimológico do lexema supra.
Não sei se haverá entre os bakongu, donos da "zanga" (parece que a Samba era de Ngola ao contrário da ilha que era a casa de tesouro de Ntotila), vocábulo cuja raiz esteja na origem de kamuxiba. Por isso, vou divagar em kimbundu.
Muxiba=veia, pelanca, carne flácida e ou imprópria para consumo, (também extensivo à) canal de irrigação/desaguadouro.
Tal leva-me a deduzir que terá havido na área um canal fluvial desaguando sobre o grande "kalunga-lwiji", sendo ka=diminutivo e Muxiba=veia ou canal irrigador/desaguador.
Outra hipótese leva-me à existência de um povoado Muxiba (?), sendo os pescadores ou primeiros habitantes da praia pesqueira de Kamuxiba, em Luanda, originários de tal agrupamento populacional de  Muxiba.
Aqui, kamuxiba seria corruptela de "mukwa Muxiba" ou "akwa Muxiba" (originário/originários de Muxiba).
Convido os actuais akwa muxiba e os ana-a-zanga, vizinhos, aí no istmo, para darem consistência a mais uma divagação dum mukwa Lubolu.

segunda-feira, maio 25, 2015

HOJ'ETU!

Quem é o rei da selva?
Uns dizem ser o elefante. Outros dizem ser o leão.
Lembro-me que o meu avô materno, Canhanga, Soberano dos povos de Kuteka (Libolo), era tratado por seus súbditos por "Hoj'etu ou Hoji yetu" que traduzido do Kimbundu para Português equivale a "Nosso Leão, Nosso Rei".
"Sesa, Hoj'etu!"

sexta-feira, maio 01, 2015

DIVAGANDO À BEIRA DA PRAIA

Mabunda é o nome da praia pesqueira de Luanda, junto à Samba.
Tentei encontrar o sentido semântico do termo, levando-me à divagação etimológica.
Étimos mais próximos de mabunda são:
a) dibunda/mabunda, vocábulos ambundu (Kimbundu) equivalentes em português a trocha, embrulho/trochas, embrulhos.
b) mbunda/jimbunda: equivalentes à nádega/nádegas.
o Topónimo mabunda estará ligado (origem) a trochas das senhoras que vão à compra de peixe ou às  imbambas nas canoas dos pescadores que vão à faina?

quarta-feira, abril 15, 2015

MINIATURAS QUE FAZEM A DIFERENÇA


Nos meus tempos de infância era um ouvinte permanente da RNA e, principalmente, dos seus noticiários e do programa ANGOLA COMBATENTE. Nessa altura, era frequente ouvir-se os correspondentes da Rádio a usarem a expressão "desde Kalulu recebam os cumprimentos do Soberano Kajila". Felizmente, hoje já não se ouve em toda a antena a troca da preposição "de" pelo advérbio de tempo "desde". Calculo que tenha sido emitida uma portaria proibitiva: "não se diz desde XXXX. Diga-se da Maianga para o mundo ou do Huambo para Luanda".
E foi bom que assim tenha acontecido, devendo repetir-se a dose em relação a outros percalços linguísticos ainda reincidentes.
Mudando de assunto, há estudantes universitários que ainda não se consciencializaram que até nós, os jornalistas, também "lutamos com a Língua de Camões", não sendo ela o objecto de estudo específico do jornalista, embora a deva dominar para melhor comunicar. Muitos não deram conta ainda que o jornalista que "sabe tudo ou sabe muito" é um migo. Não existe. Não é o facto de o indivíduo ser jornalista que o torna muito culto ou dominador da Língua Portuguesa.

Oiço muitos estudantes, na academia, a justificarem que "no rodapé da TPA escreveram Lunda-Norte (com hífen) ou a palavra tal de forma Xis". Outros dizem que na minuta de requerimento que se encontra afixado na Administração "está escrito assim e não como o mestre ensina". Nunca os passou pela cabeça pensar que o funcionário da Administração ou o homem que escreve os oráculos na TPA podem ter menos conhecimentos linguísticos do que eles, podendo ser eles, os estudantes,  os agentes de mudança de quem se espera.
 
Furtam-se da dúvida e refugiam-se num argumento reducionista da sua própria capacidade intelectiva. René Descartes recomenda a dúvida metódica: "não ter tudo como verdade acabada". Desconfie. Duvide. Questione. Investigue. Compare. Aprofunde o conhecimento.

Lembro que os conhecimentos específicos (Geografia, História, Direito, etc.) são apenas o "camião carregado" que para chegarem ao destino (serem aplicados com coerência) precisam de uma estrada (uma língua que se domine razoavelmente).
E para terminar, meus amigos (estudantes de LP), quando mesmo é que devemos grafar as palavras com iniciais maiúsculas?
É que, nas pequenas redacções escritas à mão, vejo maiúsculas até no meio da palavra.

quarta-feira, abril 01, 2015

KALIEMATOGI MOUTAIN

 Situa-se a 1040m acima do nível médio do mar. É assim que a geografia o regista.
Falta conhecer quem atribuiu o topónimo e que razões estiveram na origem de tão "estranho nome" que muito se parece a uma expressão em Kimbundu, língua falada pelos povos de Kalulu (Libolo).
Vejamos: kalye/kadye matuji (coma fezes; vai comer fezes).
Para mim, são duas as hipóteses (a confirmar através do estudo da tradição oral) que terão levado à atribuição do topónimo:
 a) Existência (no início da edificação da vila de Kalulu) de fezes de canta-pedras no cimo da montanha pedregosa (quem quisesse lá chegar teria de "comer" muito matuji daqueles animais);
-b) Existência de fezes humanas, na base da montanha, junto à estrada Kalulu-Munenga-Ndondu (situa-se próximo de Musafu, primeiro bairro, e aqueles que não tinham/ têm WC se dirigem ao mato para as necessidades maiores).
Existirá outra causa para a atribuição do topónimo kaliematogi à montanha que é ex-libris de Kalulu?

segunda-feira, março 23, 2015

TODOS E TODAS SEM CRASE


Tenho lido em textos, alguns até jornalísticos, passagens como "que à todos diz respeito".
Crasear é ainda um dos "problemas que estamos com ele".
Frequentei, em 2002 ou 2003, um curso propedêutico de L. Portuguesa, facultado pelo SJA e ministrado na Universidade Católica de Angola no qual aprendi esse detalhe da Nossa Língua.
Só há crase quando estamos em presença de um nome (substantivo) antecedido por um determinante feminino e uma preposição "a". Logo, "a"(preposição)+ "a"(determinante/artigo)="à" (contração da preposição com artigo feminino).
Em "à todos" não há nem nome feminino, nem determinante. Existe apenas uma preposição (que nos dá a ideia de movimento para...).
Em suma, a redação deve ser: que a todos diz respeito.

domingo, março 01, 2015

NUANCES DA LÍNGUA


Num dos restaurantes da FIL, depois do almoço de despedida da equipa que esteve a trabalhar em uma exposição, pergunto à proprietária a quem havia pago valores adiantados:
- Nosso saldo é positivo ou negativo?
- Positivo, filho.
- Em quanto está nossa conta?
- Dezasseis mil.
- Então dê-nos mais sumos até "bater" Kz. 17700 que é meu saldo.
Na hora do fecho, a conta estava deficitária para mim em kz. 18 mil.
- Então, há pouco, a senhora disse que o meu saldo era positivo. Como é que um sumo e um café elevaram a conta para uma dívida de Kz. 18 mil?
- Não filho, eu disse (saldo) positivo do meu lado!

domingo, fevereiro 01, 2015

O JORNALISMO QUE VAMOS TENDO

Numa "conversa", comunicação virtual (teclagem), o meu amigo Tazuary Nkeita depois de uma estupenda entrevista que concedeu à ANGOP: (http://ads.portalangop.co.ao), 07 Dezembro de 2014 | 11h42 - Lazer e Cultura), que considerei "digna de ser levada aos estudantes e jornalistas juniores", colocou-me algumas perguntas/provocações que, no seu entender, deviam ser objecto de uma discussão profunda antes de as levar aos estudantes.


Reproduzo-as com as minhas respostas:

Jornalismo em Angola
- Que jornalismo temos?
            LC:      O possível. O que se deixa fazer.

- Somos jornalistas ou somos assessores deste e daquele?
            LC:      Mais assessores do que jornalistas (jornalistas contam-se.
Jornalismo também se conta aos dedos. A assessoria é mais presente).


- Somos equidistantes e podemos sê-lo no dia a dia? Porquê ?
            LC:      A equidistância está por ser conseguida.
Somente quando houver mais jornalistas do que assessores ou a clara distinção entre assessoria e jornalismo puro.
Não tem havido equidistância porque a propaganda e propagandear acções institucionais se confunde ainda com a informação objectiva e isenta de "maquilhagem" jornalística.


- Que diferenças existem entre imprensa estatal/pública e imprensa privada e porquê?
            LC:      Uma é, por via de norma, a tutelada pelo Estado.
É pública e patrocinada com o dinheiro de todos. Outra é fruto de iniciativa privada para diversificar a informação e, como empresas, lucrarem tratando informação que é acompanhada de propaganda publicitária (paga). Noutro prisma, uma publicita os órgãos do poder e outra (entre noticias) publicitam as empresas.
Há muito que se diga sobre esse tema.


- Há fosso? Como reduzir esse fosso?
LC:      O fosso se pode reduzir através de formação e acções de credibilização da media quer pública quer privada (com ou sem objectivo indirecto de alcançar ou manter os poderes instituídos). A autorregulação também pode contribuir para um jornalismo mais responsável (com cassação de carteira, caso houvesse, etc.). Ainda vamos longe e temos de labutar arduamente para que tenhamos um jornalismo ideal. Ou ficaremos apenas pelo "jornalismo angolano/à moda angolana".


- Devemos imitar ou assimilar e processar os conhecimentos?
LC:      Sou pela absorção e processamento de conhecimentos universais. Jornalismo puro será como a arquitectura, economia ou sociologia pura (ajusta-se aos aspectos particulares do país, mas não perde a essência).


- Os jovens (jornalistas ou não) têm futuro em Angola?
LC:      Os jovens terão o futuro que nós os mais velhos lhes permitirem ter. Têm as oportunidades (não tantas) que também lhes permitimos ter. Ontem fui jovem e hoje adulto, um pai de jovem, mas vou ainda reclamando as oportunidades que não tive. Se isso vai melhorar ou piorar, não sei. Houve um tempo que as lojas não tinham nada mas todos tinham emprego na função pública e na tropa. Hoje para se ir à tropa já se diz que é preciso cunha. Os empregos dependem ainda do desenvolvimento da indústria, da agricultura e dos serviços (isso abrirá oportunidades aos jovens). A função pública vai "desengordando", o que é bom mas há ainda instalações e instituições sem quadros qualificados. E que tal reflectir tb sobre o tipo de educação e ensino que temos? Isso fará nos próximos anos a diferença.


- Têm oportunidades?
LC:      Muitos terão diplomas sem conhecimentos. Outros (poucos) terão conhecimentos sólidos e esses disputarão as poucas oportunidades que surgirem. Os demais ficarão a lamentar-se com os diplomas vazios de conhecimentos na mão.

quinta-feira, janeiro 01, 2015

A RAZÃO E O CAMINHO


- Hoje atrasei ao serviço através da chuva. - Disse Metuliana quando questionada pelo chefe Kafuringa.
- Através? Como assim? A chuva foi o caminho ou a causa? - Kafuringa tem 4ª classe do "tempo colonial" e não deixa passar descompassos linguísticos daqueles que se dizem técnicos superiores.
- Foi mesmo a causa. O bairro ficou alegado e que na qual não deu para sair. - Respondeu ela ignorante e convicta como se fosse a dona do conhecimento.
- Sim, chefe. Atrasei através das quedas pluviométricas que caíram no Lususu. - Reforçou.
- Metuliana, pluviometria é medição da chuva. O melhor seria dizer quedas pluviais. E mais: o teu bairro terá ficado alagado e não alegado que não soa bem. Também não soa bem a expressão "que na qual". Tens de estudar regência para usar as preposições e conjunções correctas.  – Corrigiu Kafuringa.
- Chefe, eu ando a ouvir a falarem assim na rádio. Será que o chefe sabe mais do que os jornalistas Fulano e Beltrano?
- Nas rádios imperam hoje pessoas que misturam o "tu e você" que, em órgãos sérios, seria inadmissível. Vai à Livraria, compra um dicionário e uma gramática para passarmos a estudar juntos. – Recomendou Kafuringa que continuou com as suas diligências.