Número total de visualizações de página

domingo, outubro 05, 2008

A RÁDIO CINCO E AS ELEIÇÕES


No último dia de Agosto/08, C.P., comentarista da Rádio Cinco, fartou-se em fazer apelo ao “voto na continuidade, voto no partido do coração…” ao longo do período que antecedeu e durante os primeiros 45 minutos do jogo entre a selecção provincial de Luanda do Girabairro e o Kabuscorp do Palanca, realizado no campo adjacente à administração do Kilamba Kiaxi, em homenagem ao 66º aniversário do Presidente da República e do MPLA, José Eduardo dos Santos.

Pelo que nos habituou, a Rádio cinco, foi feita p’ra “cuidar” dos eventos desportivos e não da propaganda política. Um apelo ao voto consciente seria um bom trabalho, tendo em conta ao papel mobilizador da media, evitando-se assim a abstenção. Mas, de forma implícita, citar-se o nome da formação política em que os angolanos devem/deviam votar, foi já um trabalho p’ra esquecer, tendo em conta a sua linha editorial. E mais, a lei eleitoral estabelece direitos iguais de tratamento por parte da comunicação Social aos partidos políticos concorrentes.

Tudo quanto sabemos e observamos ao longo da campanha política no país, é consabido que o Partido tem uma grande veia mobilizadora, a valer-se pelos quadros e resultados da sua governação em tempo de paz, pelo que nunca precisaria de uma boleia denunciadora do “Cda C.P.”.

Tendo em conta que os apelos saíram da boca de um comentarista, se calhar, alheio à legislação eleitoral vigente, foi de bom gosto e tom, termos ouvido um C.P. silencioso ao longo do período complementar do jogo, indiciando que uma chamada de atenção lhe tenha sido feita.

Para a isenção de que sempre nos brindou a rádio cinco, fica esta mancha, augurando que este deslize, de quem não soube diferenciar a actividade jornalística da política, não macule a Nossa Rádio Campeã dos desportos.

E já que a abordagem é sobre a rádio dos desportos, permitam-me rever as cartolinas do árbitro de futebol.
Com frequência ouvimos dizer que o árbitro exibiu duas ou cinco cartolinas vermelhas, ou que o jogador viu duas cartolinas amarelas. O que é real é que o árbitro leva consigo apenas duas cartolinas: Uma vermelha e outra amarela que podem ser exibidas tantas vezes ao longo de um jogo.

Portanto, nunca um jogador vê duas cartolinas da mesma cor. Vê por duas vezes a cartolina, ou o árbitro mostra duas, três, quatro vezes a cartolina…
Estamos conversados.

Luciano Canhanga

1 comentário:

Humana disse...

Realmente foi um erro muito grande.Como será possivel que esse comentador desportivo não soubesse, que em Campanha eleitoral, mais do que um comum cidadão,tinha que ser isento e não mostrar qualquer côr politica?
Se foi chamado a atenção foi por ser negligente e mereceu-o.