Número total de visualizações de página

quinta-feira, dezembro 13, 2007

CULTURA: A MAIOR EMPRESA DE IMPORT/EXPORT


Li em tempos, na Revista Mais, um texto do escritor e biólogo moçambicano Mia Couto em que dissecava sobre o fenómeno da aculturação dos povos, os aplausos e as resistências aos novos elementos.

O texto de Mia Couto levou-me à reflexão sobre as minhas vivências culturais. Óbvio que a medida em que procuramos ser autênticos, originais e diferentes, caminhamos ao mesmo tempo para a igualdade com os outros. Pois não se concebe nos dias hodiernos sociedades intrínsecas ou fechadas.

Entendo que a autenticidade reside naquilo que mais nos diferencia dos outros, e é isso que procuramos preservar, ou pelo menos não perder à velocidade do vento.

A igualdade, por sua vez, reside no facto de evitarmos ser ilha num mundo que se abre cada vez mais aos outros, ou seja, mais global. Essa busca da actualização ou do ser-se cidadão global leva-nos a importar hábitos alheios.

E não foi em vão que Couto concluiu na sua dissertação que “a cultura é a maior Empresa de Importação e Exportação”.

Em cada contacto, quer seja pessoal, telefónico, visual (TV), ou mesmo escrito que mantenhamos, acabamos sempre por passar algo sobre o nosso modus vivendi, como também recebemos elementos sobre o modus vivendi e ou operandi dos nosso parceiros da comunicação.

E esses ganhos e perdas de valores são tão constantes e dinâmicos que à medida em que perdemos uns, porque procuramos sempre “polir” os nossos hábitos aproximando-os aos dos nossos semelhantes, ganhamos outros, num processo universal.

As crianças de hoje já não cantam os mesmos folguedos de há trinta anos. Os velhos daquele tempo levaram consigo as suas experiências que haviam trocado com outros da sua época, e numa altura em que “o mundo ainda era distante”.

Os homens de hoje têm uma experiência que deriva da herança dos ancestrais e da inter-relação com outros povos e culturas, até as mais longínquas. E assim será. Com Importações e Exportações vamos polindo a nossa cultura, sempre tendo em conta que "os homens mais se parecem ao seu tempo do que aos seus ascendentes".

Luciano Canhanga